Blog do Resenhando: O Seu Site Cultural

Espaço de apoio do site Resenhando.com

:: Biografia com cenas impactantes e história solta

Por: Mary Ellen Farias dos Santos

Em fevereiro de 2011

 

Caras, bocas e seios de Deborah Secco tornam biografia de prostituta ainda mais impactante. Saiba mais de Bruna Surfistinha!


É por meio do longa Bruna Surfistinha, com direção de Marcus Baldini, que o público conhece (um pouco) da história de Raquel Pacheco Pinto (Deborah Secco). Garota paulistana, de classe média, que aos 16 anos decide dar um novo rumo ao seu modo de vida. Para tanto, a filha criada por pais adotivos, sai de casa e decide virar garota de programa. Eis que a novata, cheia de interesse em ganhar dinheiro (100 reais por programa), não nega os desejos de seus clientes, mesmo que estes sejam esdrúxulos.

Desta forma, Bruna (nome que adota como garota de programa) passa a ser a queridinha da cafetina Larissa (Drica Moraes). Após ser expulsa do privê (Casa de prostituição), Raquel se transforma em Bruna Surfistinha. Muda-se para um flat e junto de sua amiga, também prostituta, organizam uma agenda para receber os clientes. Aproveitando a força da internet, Bruna segue os passos da prostituta britânica Belle de Jour, e começa a “promover” o blog da personagem que adotou como seu alter-ego.

Embora, Bruna Surfistinha totalize 109 minutos, este não mostra a que veio. Apenas consegue impactar com várias e várias cenas de sexo (que implicam em caras, bocas e seios bastantes siliconados de Deborah Secco). O curioso é que uma das frases de efeito usada para chamar a atenção do público é: “A história de uma garota de família. Até a cena 2”. É então que surge a dúvida. Qual foi o momento da cena 1? Afinal, o filme não retrata Rachel, em qualquer segundo que seja, como uma garota de família.

Anúncios

26/02/2011 Posted by | Em cartaz, Mais cultura | Deixe um comentário

:: Tudo Pode dar Certo nas locadoras

TÍTULO ORIGINAL: Whatever Works

TÍTULO EM PORTUGUÊS: Tudo Pode dar Certo

SINOPSE: Boris Yellnikoff (Larry David) é um velho rabugento que tem o hábito de insultar seus alunos de xadrez. Ex-professor da Universidade de Columbia, ele considera ser o único capaz de compreender a insignificância das aspirações humanas e o caos do universo. Um dia, prestes a entrar em seu apartamento, Boris é abordado por Melodie St. Ann Celestine (Evan Rachel Wood), que lhe implora para entrar. Ele atende ao pedido, a contragosto. Percebendo sua fragilidade, Boris permite que ela fique no apartamento por alguns dias. Ela se instala e, com o passar do tempo, não aparenta ter planos de deixar o local. Até que um dia lhe diz que está interessada nele.

ELENCO: Larry David , Evan Rachel Wood , Ed Begley Jr. , Henry Cavill , Patricia Clarkson

DIREÇÃO: Woody Allen

GÊNERO: Comédia

ANO DE PRODUÇÃO: 2009

PAÍS DE ORIGEM: EUA

 

12/10/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz | Deixe um comentário

:: Tropa de Elite 2, que será lançado dia 08/10, usa sistema de segurança Intelbras

Tropa de Elite 2 usou equipamentos Intelbras para reproduzir o circuito de segurança do presídio Bangu 1

Coronel Nascimento acompanha rebelião dentro do presídio Bangu 1, um dos momentos de ápice do filme, por meio das soluções de segurança da Intelbras.

A Intelbras, empresa que atua em telecomunicações, segurança eletrônica e informática, concedeu equipamentos para a montagem do Tropa de Elite 2, um dos filmes mais esperados do momento, com lançamento para o próximo dia 8 de outubro. A participação da empresa foi no fornecimento de equipamentos de segurança eletrônica usados na reprodução do circuito fechado de vídeo monitoramento do presídio Bangu 1, um presídio de segurança máxima.

Os equipamentos de segurança tiveram papel fundamental no filme. Por exemplo, na cena de rebelião do presídio,- uma das cenas mais tensas e um dos ápices do roteiro- a partir das soluções de segurança eletrônica da Intelbras o Coronel Nascimento, comandante geral do BOPE, toma suas decisões. Em vários momentos o público consegue acompanhar como funciona o equipamento na prática, principalmente quando o Coronel solicita zoom para determinadas cenas estratégicas.

O Tropa de Elite 2, filme de José Padilha, reproduziu o presídio de Bangu 1 em seus mínimos detalhes, num estúdio de mil metros quadrados, o que consumiu cerca de 15% do orçamento. Corpos carbonizados foram criados pelo mestre da maquiagem Martin Trujillo. Câmeras foram penduradas em cordas para dar maior proximidade e ineditismo à marcante fotografia de Lula Carvalho. Um andar inteiro de um nobre edifício na Presidente Vargas voltou a ser sede da Secretaria de Segurança Pública do Estado. As soluções de segurança eletrônica da Intelbras viabilizaram as condições de filmagem imaginadas pelo diretor José Padilha e o roteirista Bráulio Mantovanil.

Para o presidente da Intelbras, Altair Silvestre, o tom de realismo do filme foi determinante para a participação da empresa. “A Intelbras é especialista em segurança eletrônica e, no filme, participamos do sistema de monitoramento de um presídio de segurança máxima, o que requer produtos extrema confiabilidade e sistemas de alta capacidade”, declara o presidente.

A Intelbras possui soluções de gestão de segurança eletrônica que se aplicam a cenários como o do Bangu 1 na vida real e que permitem controlar e monitorar a segurança das pessoas em diversos ambientes, sejam eles o de um presídio, condomínio, shoppings centers ou até o sistema de segurança pública de uma grande cidade. “Nosso principal diferencial é que temos não só soluções de segurança, mas soluções de comunicação que garantem o funcionamento das áreas críticas, com alta qualidade de transmissão de dados, essencial para as soluções de segurança. Os sistemas podem ser integrados e gerenciados à distância, fator essencial para o monitoramento de toda uma cidade”, afirma o diretor da área de segurança eletrônica, José Carlos Vianna.

Sinopse Tropa de Elite 2

TROPA DE ELITE 2 – Drama, Brasil 2010 – 116 minutos. Wagner Moura retoma o personagem mais marcante de sua carreira, o Capitão Nascimento, na seqüência de Tropa de Elite, filme também dirigido por José Padilha, ganhador do Urso de Ouro no Festival de Berlin, 2008. Nascimento, dez anos mais velho, cresce na carreira: passa a ser comandante geral do BOPE, e depois Sub Secretário de Inteligência. Em suas novas funções, Nascimento faz o BOPE crescer e coloca o tráfico de drogas de joelhos, mas não percebe que ao fazê-lo, está ajudando aos seus verdadeiros inimigos: policiais e políticos corruptos, com interesses eleitoreiros. Agora, os
inimigos de Nascimento, são bem mais perigosos.

Mais informações sobre o filme http://www.tropadeelite2.com.br

Sobre a Intelbras – Fundada em 1976, a Intelbras é uma empresa com capital 100% nacional e atua em três áreas: telecomunicações, informática e segurança eletrônica. Atualmente com 1900 colaboradores, está presente em mais de nove mil pontos de venda para varejo e seis mil revendedores corporativos. Atualmente exporta para América Latina, África e Oriente Médio. Entre os prêmios nacionais conquistados em 2010, destacam-se o prêmio do Instituto Great Place to Work como “Uma das 70 Melhores Empresas para se Trabalhar”, o prêmio do Guia Você S/A “Uma das 150 Melhores Empresas para se Trabalhar”, o prêmio IDEA Brasil, uma das maiores premiações de design do País, pela linha de telefones TS 40 e TS60 na categoria “Comunicação” e o prêmio dado pelo Anuário de Telecom “Destaque do Ano-Segmento Redes Corporativas”, pelo resultado econômico financeiro/ano fiscal 2009 (receita líquida, rentabilidade sobre vendas e patrimônio, liquidez etc.). A Intelbras nesse ano subiu de 29ª para 20ª colocada no Anuário Telecom 2010. Saiba mais sobre a empresa e sua loja virtual no site http://www.intelbras.com.br e no twitter @intelbras.

06/10/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz | Deixe um comentário

:: “O Bem Amado” nos cinemas

Produção nacional leva as telas de cinema um dos personagens mais conhecidos da dramaturgia brasileira: Odorico Paraguaçu.

Odorico Paraguaçu é um dos personagens mais emblemáticos da dramaturgia brasileira. Eternizado por Paulo Gracindo na série de televisão “O Bem Amado”, ele chega agora as telas de cinema interpretado por Marco Nanini em uma produção dirigida por Guel Arraes. O filme, que tem estreia nacional nesta sexta (23/7), tem várias opções de horário no Cinesystem Praia Grande: 13h40, 16h20, 19h e 21h40.

Baseado na obra de Dias Gomes, “O Bem Amado” conta a história do prefeito Odorico Paraguaçu (Marco Nanini), que tem como meta prioritária em sua administração na cidade de Sucupira a inauguração de um cemitério. É apoiado pelas irmãs Cajazeiras (interpretadas por Andréa Beltrão, Drica Moraes e Zezé Polessa) – com as quais o político viúvo mantém relações muito próximas. E tem em Vladimir (Tonico Pereira), dono do único jornal da cidade, seu principal opositor.

A história passada no início dos anos 60 é narrada por Neco Pedreira (Caio Blat), um jovem que se apaixona por Violeta (Maria Flor), a filha do prefeito, moça moderna que estuda na capital. Os dois vivem um romance proibido enquanto Odorico sonha em abrir o cemitério municipal. Por falta de defunto, o prefeito nunca consegue realizar sua meta. Odorico arma situações para que alguém morra – inclusive importando um moribundo (Ernesto) que não morre e contratando Zeca Diabo (José Wilker), o matador responsável pela morte de seu antecessor.

Promoções – As promoções oferecidas pelo Cinesystem são variadas. Na “Mega Fim de Semana”, toda sessão de sexta e sábado iniciada até às 17 horas tem ingresso promocional de R$ 10 para filmes 2D e R$18 para 3D a inteira. Após as 17 horas, o ingresso custa R$ 14 para 2D e R$ 20 para 3D. Há, também, a “Domingo todo mundo paga meia”, com entradas a R$ 7 para 2D e R$ 10 para 3D.

A “Quinta do Beijo” traz uma novidade para os cinemas da Baixada Santista: o casal que trocar um beijo diante da bilheteria às quintas-feiras pagará apenas R$ 10 por dois ingressos para sessões 2D e R$ 17 para 3D. A promoção é válida para maiores de 16 anos e não ocorre em feriados. O Cinesystem Litoral Plaza Shopping promove, ainda, a “Terça mais cinema” com entradas a R$ 6 para sessões 2D e R$ 12 para 3D, em todos os horários.

Outro destaque da Rede é o Clube da Pipoca, uma ação promocional de fidelização que premia os clientes participantes do clube conforme eles vão acumulando pontos. Um cadastro rápido e simples, no próprio site do Cinesystem, precisa ser feito para se ter acesso ao Clube, depois é só acumular pontos cada vez que for ao cinema ou consumir alguns dos combos na bombonière dos Cinesystem espalhados por todo o País. Resultado: prêmios exclusivos e muita pipoca!

Sobre o Cinesystem

A REDE CINESYTEM CINEMAS iniciou suas atividades em 1999 com a inauguração de cinco salas em Maringá-PR. Graças a um plano de expansão agressivo e sua excelência na prestação de serviços, hoje, a Rede está consolidada como uma das principais exibidoras de cinema do país. Desde o seu surgimento até agora, soma 69 salas em operação distribuídas em cinco estados brasileiros neste momento e, ainda nesta temporada, inaugurará suas 6 primeiras salas no nordeste do país, em São Luís – MA. Na Baixada Santista o CINESYSTEM está localizado no Litoral Plaza Shopping, em Praia Grande. Mais informações: http://www.cinesystem.com.br

PROGRAMAÇÃO DO CINESYSTEM PRAIA GRANDE (VÁLIDA ENTRE 23 E 29 DE JULHO)

SALA 1
SHREK PARA SEMPRE 3D (DUBLADO) (SHREK FOREVER AFTER)
Recomendado: LIVRE, Gênero: ANIMACAO, Ano de Produção: 2009, Duração: 01:33
Diretor: MIKE MITCHELL
Todos os dias – 14h20 16h50 19h30 21h50

SALA 2
ECLIPSE (DUBLADO) (THE TWILIGHT SAGA: BREAKING DAWN)
Recomendado: 12 anos, Gênero: ROMANCE E AVENTURA, Ano de Produção: 2010,
Duração: 02:10,
Diretor: DAVID SLADE. Com KRISTEN STEWART, ROBERT PATTINSON, TAYLOR LAUTNER, ASHLEY GREENE, BRYCE DALLAS HOWARD, PETER FACINELL, JODELLE
FERLAND, ELIZABETH REASER, KELLAN LUTZ
Todos os dias – 14h 16h40 19h20 22h

SALA 3
O BEM AMADO (O BEM AMADO)
Recomendado: 12 anos, Gênero: COMEDIA, Ano de Produção: 2009, Duração: 01:50
Diretor: GUEL ARRAES. Dom MARCO NANINI, JOSÉ WILKER, CAIO BLAT, MARIA FLOR, MATHEUS NACHTERGAELE
Todos os dias – 13h40 16h20 19h 21h40

SALA 4
ECLIPSE (LEGENDADO) (THE TWILIGHT SAGA: BREAKING DAWN)
Recomendado: 12 anos, Gênero: ROMANCE E AVENTURA, Ano de Produção: 2010,
Duração: 02:10,
Diretor: DAVID SLADE. Com KRISTEN STEWART, ROBERT PATTINSON, TAYLOR LAUTNER, ASHLEY GREENE, BRYCE DALLAS HOWARD, PETER FACINELL, JODELLE
FERLAND, ELIZABETH REASER, KELLAN LUTZ
Todos os dias – 21h30

TOY STORY III (DUBLADO) (TOY STORY 3 )
Recomendado: Livre, Gênero: ANIMAÇÃO, Ano de Produção: 2010, Duração: 01:43.
Diretor: LEE UNKRICH.
Todos os dias – 14h10 16h30 19h10

SALA 5
SHREK PARA SEMPRE (DUBLADO) (SHREK FOREVER AFTER)
Recomendado: LIVRE, Gênero: ANIMACAO, Ano de Produção: 2009, Duração: 01:33
Diretor: MIKE MITCHELL
Todos os dias – 14h25 16h45 19h15 21h25

SALA 6
ENCONTRO EXPLOSIVO (DUBLADO) (KNIGHT & DAY)
Recomendado: 14 anos, Gênero: ACAO, Ano de Produção: 2009, Duração: 01:55
Diretor: JAMES MANGOLD. Com TOM CRUISE, CAMERON DIAZ, MARC BLUCAS, PAUL DANO, MAGGIE GRACE
Todos os dias – 14h15 16h35 19h15 21h35

22/07/2010 Posted by | Em cartaz, Mais cultura | Deixe um comentário

:: 02 de julho, estreia de “O Pequeno Nicolau”

Nicolau leva uma vida pacífica. Seus pais o amam mais que tudo, ele tem uma turma de amigos pestinhas para aprontar todas com ele, ou seja, a vida é perfeita e não precisa mudar.

Mas um belo dia, Nicolau ouve uma conversa entre seus pais, o que o faz acreditar que sua mãe está grávida. Ele entra em pânico e imagina o pior: um irmão caçula! Os pais de Nicolau não terão mais tempo para ele. Talvez o abandonem na floresta para cuidar apenas de seu irmão.Para escapar desse terrível destino, Nicolau embarca em uma campanha para mostrar aos seus pais que ele é indispensável. Mas por tentar agradar de mais, após vários tropeços ele acaba os enfurecendo. Desesperado, ele decide mudar de tática, afinal ele chegou primeiro então é o bebê que deve desaparecer. Nicolau e seus amigos desastrados surgem com diversos planos e quando eles acreditam que acharam a solução Nicolau encontra um amigo que acabou de ganhar um irmão caçula e descreve todos os aspectos positivos de ser o irmão mais velho.

Transformado, ele corre para os pais, feliz por ter um irmão ele descobre que houve um mal entendido e começa a chorar e acredita que nunca mais poderá ser feliz. Mas uma última surpresa aguarda o pequeno Nicolau.

Título original: LE PETIT NICOLAS

França, 2009, 91 min, cor, comédia, Livre / Versões dublada e legendada (áudio francês)

Diretor: Laurent Tirard

Roteiro: Alain Chabat, René Goscinny

Produzido: Eric Jehelmann e Genevieve Lemal

Diretor de Fotografia: Denis Rouden

Direção de Arte: Laurie Crochelet

Edição: Valérie Deseine

Edição de som: Ricardo Castro e Thomas Gastinel

Distribuição: IMOVISION

Baseado na obra de René Goscinny e Jean-Jacques Sempé.

Elenco

Máxime Godart                          Nicolau

Valérie Lemercier                       Mãe de Nicolau

Kad Merad                                Pai de Nicolau

Sandrine Kiberlain                      Professora

François-Xavier Demaison          “Corujão”

Michel Duchaussov                     Diretor

Daniel Prévost                           Sr. Moucheboume

Michel Gelabru                           Ministro da Educação

Anémone                                  Srta. Navarrin

Louise Bourgoin                        Florista

Vincent Claude                          Alceu

Charles Vaillant                          Godofredo

Victor Carles                             Clotário

Benjamin Averty                        Eudes

Germain Petit Damico                 Rufus

Virgile Tirard                             Joaquim

Trailers

(dublado) http://www.youtube.com/watch?v=FHdXiKeMJZw

(legendado) http://www.youtube.com/watch?v=48cnWr81oV4

01/07/2010 Posted by | Em cartaz, Mais cultura | Deixe um comentário

:: Musical da Broadway “O Médico e o Monstro” estreia dia 09 de julho

Produção tem custo estimado de R$ 6 milhões e fará 80 apresentações no Teatro Bradesco.

São Paulo, junho de 2010 – Nando Prado, Kiara Sasso e Kacau Gomes serão protagonistas do musical da Broadway Jekyll & Hyde – O Médico e o Monstro, que estreia no Brasil no próximo dia 9 de julho. O espetáculo, baseado na obra clássica de Robert Louis Stevenson, já teve mais de 1.500 exibições no Plymouth Theater em Nova Iorque.

A superprodução conta com grandes nomes, como o cenografista J.C. Serroni e o estilista Fause Haten, que desenvolve os figurinos. A versão brasileira é assinada por Cláudio Botelho, com direção musical de Paulo Nogueira e direção geral artística de Fred Hanson, da Broadway.

O Médico e o Monstro já foi montado em 17 países e a produção brasileira tem custo estimado de R$ 6 milhões. Com patrocínios da Nestlé, Cielo, Bradesco e ABB, serão feitas aproximadamente 80 apresentações do espetáculo no Teatro Bradesco, em São Paulo.

A versão brasileira envolve mais de 200 profissionais, contando com 28 atores e uma orquestra de 17 músicos. O Musical tem como realizadores e produtores Diego Ramiro e Lilian Cordeiro (Kabuki Produções), Paulo Leal e Sergio Leal (PSL) e a Mondo Entretenimento.

Os ingressos estão à venda pelo site Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br), pelo telefone (11) 4003-1212 e também na bilheteria do Teatro Bradesco. A produção do espetáculo também permite a venda a grupos pelo telefone (11) 4786-1522 ou sessões coorporativas fechadas pelo telefone (11) 3168-7222.

Sinopse do espetáculo

A história acontece em Londres no ano de 1885, quando o brilhante doutor Henry Jekyll, procurando uma cura para a loucura de seu pai, tenta desenvolver uma fórmula para isolar o lado mau das pessoas, partindo do pressuposto de que todas têm duas personalidades. O médico pede permissão para testar sua fórmula em pacientes de um hospital local e, ao ter seu pedido negado, se voluntaria secretamente como cobaia da experiência, transformando-se em Edward Hyde, seu alterego do mal.

Os moradores da cidade começam a desconfiar das atitudes de Jekyll por passar horas trancado em seu laboratório às vésperas de seu casamento com a cobiçada Emma e por seus encontros com a prostituta Lucy, que se torna alvo de interesse de Hyde. As coisas se complicam ainda mais quando é anunciada a morte do bispo de Basingstoke e Jekyll assina um testamento que deixa tudo para o recém-chegado Hyde. Enquanto isso, a personalidade de Hyde se apossa cada vez mais do dócil doutor Jekyll.

MAIS INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA

FirstCom Comunicação (www.firstcom.com.br)

Luis Claudio Allan (luisclaudio@firstcom.com.br)

Larissa Rosa (larissa@firstcom.com.br)

Ana Claudia Gerardi (anaclaudia@firstcom.com.br)

Tel.: (11) 3034-4662 / 4652

O Médico e o Monstro

Estreia: 09 de julho

Duração: 2h30min (intervalo: 15min)

Classificação: 12 anos

25/06/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz, Mais cultura | Deixe um comentário

:: “Blitz”, do premiado dramaturgo Bosco Brasil, estréia com direção de Ivan Sugahara‏

“Blitz”, do premiado dramaturgo Bosco Brasil, estréia com direção de Ivan Sugahara

Montagem marca o retorno do autor aos palcos paulistanos e tem Janaína Ávila e Marcello Escorel no elenco. Temporada começa no dia 17 de julho (estréia para convidados) no Centro  Cultural São Paulo – Sala Paulo Emílio

Estréia em 17 de julho, no Centro Cultural São Paulo, Sala Paulo Emílio, a peça “Blitz”, escrita por Bosco Brasil, um dos mais importantes dramaturgos brasileiros.  Bosco recebeu os prêmios Shell e APCA de melhor autor em 2002 por “Novas Diretrizes em Tempos de Paz”, e com outras duas indicações ao Shell: “O Acidente” (2000) e “Cheiro de Chuva” (2007).

O espetáculo, dirigido por Ivan Sugahara, tem no elenco Marcello Escorel, que realiza pela terceira vez uma incursão em um texto de Bosco Brasil. O ator, que por sua atuação em “Cheiro de Chuva” foi indicado ao prêmio Shell, contracena com Janaína Ávila, atriz paulistana com passagem pelo CPT de Antunes Filho que também é responsável pela produção da peça.

Blitz trata de temas delicados como a violência e o medo, além da influência da sociedade em nossas vidas particulares.  A peça traz o conflito de dois personagens: Cabo Rosinha (Marcello Escorel) e sua esposa, Helô do Pãozinho (Janaína Ávila). O primeiro é acusado de ter matado um menino em uma blitz realizada em uma escola pública, a segunda pressionada pela opinião pública resolve abandonar o marido, com medo daquele a quem ama. O espetáculo traz a discussão final do casal, no momento em que Helô revela ao policial que o deixará. A platéia, então, testemunha o desenrolar de um drama vivido por eles todos os dias.

O texto de “Blitz” segue o estilo já característico e premiado do autor de “Novas Diretrizes em Tempos de Paz”: formato curto e diálogos elaborados de forma a prender a atenção do espectador. Em um ritmo acelerado os segredos e medos dos personagens são revelados e a platéia é levada a tornar-se cúmplice do policial que acabara de julgar.

Segundo seu diretor, Ivan Sugahara, uma das grandes preocupações foi não cair no óbvio e nos clichês de dramas. “Trabalhei o texto para mostrar a repercussão da violência na vida do casal em sua vida cotidiana, revelando a sensação de isolamento. Desde o início, nossa preocupação foi fugir da linguagem dramática. Cenário, figurino e trilha sonora foram pensados voltados para a linguagem lúdica e metafórica”, diz o diretor.

Em sua terceira peça de Bosco Brasil, Marcello Escorell faz o contraponto à figura frágil, doce e sofrida de Helô do Pãozinho, interpretada por Janaína Ávila. “O ator, que demonstra muita força em seu corpo e na maneira de gesticular e falar, acaba se fragilizando perante a personagem de Janaína no decorrer da trama”, explica Sugahara.

O espetáculo foi ganhador do Edital Eletrobrás Cultura 2009 para essa montagem e vem de uma temporada no Rio de Janeiro de três meses, com críticas muito favoráveis:

Crítica de Lionel Fischer – 22 de março

“Com relação ao espetáculo, Ivan Sugahara realiza aqui um de seus melhores trabalhos, evidenciando uma compreensão perfeita das propostas do autor, trabalhando de forma exemplar os tempos rítmicos, os muitos silêncios (sempre preenchidos de grande carga emocional) e também valorizando na medida certa as explosões do casal. Este, cumpre registrar, interpretado de forma irretocável pelos dois intérpretes. Janaína Ávila consegue valorizar todas as características de uma personalidade atormentada pela dúvida e pela mágoa, com Marcello Escorel demonstrando, mais uma vez, porque merece ser considerado um dos melhores atores de sua geração, já que tudo que faz nos convence por sua enorme capacidade de entrega e por sua inteligência cênica, que o faz optar por caminhos que causariam pânico em atores apenas medianos e que se contentam com o óbvio. Sem dúvida, uma atuação brilhante.”

Crítica Veja Rio – 30 de março

Alta Tensão – Montagem e elenco inspirados realçam as virtudes do drama Blitz, novo texto de Bosco Brasil

(…)Janaína Ávila empresta emoção na medida certa à meiga e compreensiva Helô, enquanto o tarimbado Escorel faz do policial um tipo duro, pela natureza de sua atividade, mas também com um lado frágil. Juntos, elenco e equipe técnica levam a plateia a acompanhar de perto uma história triste da qual se tiram algumas lições.

SERVIÇO:

Peça:  “Blitz”
Autor: Bosco Brasil
Direção: Ivan Sugahara
Elenco: Janaína Ávila e Marcello Escorel
Centro Cultural São Paulo – Sala Paulo Emilio – R. Vergueiro, 1000
Estréia: 17 de julho de 2010 (para convidados)
Temporada: de sexta a sábado, às 21h, e domingo, às 20 – Até 15 de agosto
Preço: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia)
Classificação etária: 12 anos

FICHA TÉCNICA:

Texto: Bosco Brasil
Direção: Ivan Sugahara
Elenco: Janaína Ávila e Marcello Escorel
Iluminação: Renato Machado
Trilha Original: Rebello Alvarenga
Figurino: Patricia Muniz
Cenário: Natália Lana
Adaptação de cenários para viagens: Juliana Fernandes
Visagismo: Marcello Labela
Artista Plástica e Programadora Visual: Juliana Moraes
Cenotécnico: André Salles
Modelista: Lúcia Lima
Músico Intérprete da Trilha: Camila Brioli
Assistente de Direção: Letícia Isnard
Assistente de Produção: Raphael Freire
Assistente de Cenografia: Marieta Spada
Assistente de Figurino: Eve Rodrigues
Assistente técnico de Trilha Sonora: Ricardo Gonçalves
Fotógrafo: Dalton Valério
Produção Executiva no Rio de Janeiro: Casa Cinco – Mariana Rameck e Maria Clara Guim
Produção Executiva em São Paulo: Camila Sartorelli e Roberta Sollera
Realização e Direção de Produção: Janaína Ávila e 2BB2 Produções Artísticas

24/06/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz | Deixe um comentário

:: Estreia de “Flor do Deserto”

A história real da ex-modelo e embaixadora da ONU, Waris Dirie.

Como num conto de fadas, a somaliana Waris Dirie tornou-se uma das mais desejadas top models. Nascida numa família de criadores de gado nômades, sua fascinante trajetória a levou dos desertos do Noroeste da África para as passarelas e revistas de moda mais prestigiadas do mundo.

Aos 13 anos, para fugir de um casamento arranjado, atravessa o deserto por dias até chegar a Mogadishu, capital da Somália. Logo seus parentes a mandam para Londres para trabalhar como empregada na embaixada da Somália, onde passou o resto de sua adolescência sem ser alfabetizada.

Quando se depara com a possibilidade de retornar a uma Somália destruída pela guerra, Waris se vê ilegal no país, sem ao menos um lugar para morar. Com a ajuda de uma descontraída vendedora, Waris consegue não apenas um abrigo como também uma amiga em quem pode confiar.

Trabalhando num restaurante fast-food acaba sendo descoberta pelo famoso fotografo Terry Donaldson e, através da ambiciosa agente Lucinda, transforma-se em uma verdadeira modelo. Mas apesar da vida de sucesso e glamour, Waris ainda sofre com as violentas lembranças de um segredo de infância.

No auge de sua carreira, Waris revela ao mundo que foi vítima da mutilação genital feminina, levantando o debate e lutando contra essa bárbara tradição.
Título original: Desert Flower
2009, 124 min, cor, 14 anos.

(Áudio em Inglês e Somali) Drama

Diretor: Sherry Hormann

Roteiro: Sherry Hormann

Produzido: Peter Herrmann

Co-Produtores: Benjamin Herrmann, Danny Krausz

Diretor de Fotografia: Ken Kelsch

Direção de Arte: Matthias Klemme, Petra Maria Wirth

Edição: Clara Fabry

Trilha: Martin Todsharow

Editor de som: Stefan Colli

Distribuição: IMOVISION

PRÊMIO:
Prêmio do Público como “Melhor Filme Europeu” no San Sebastián International Film Festival – 2009

Elenco
Liya Kebede (Waris Dirie adulta)                          

Sally Hawkins                          

Timothy Spall                          

Juliet Stevenson                      

Craig Parkinson                       

Anthony Mackie                      

Meera Syal                             

Soraya Omar-Scego (Waris Dirie adolescente)              

Teresa Churcher                      

Eckart Friz                              

Anna Hilgedieck                       

Matt Kaufman                         

Emma Kay                              

Eliezer Meyer                          

Prashant Prabhakar                 

Nick Raio                                

Robert Robalino                      

Chris Wilson                            
 

ESTREIA: 25 DE JUNHO DE 2010

Circuito:

BELO HORIZONTE 

BRASILIA

CURITIBA

FLORIANOPOLIS 

FORTALEZA

GOIANIA

PORTO  ALEGRE

RECIFE 

RIO DE JANEIRO

SALVADOR 

SÃO PAULO

23/06/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz | Deixe um comentário

:: Elizabeth Savalla vai pra praça em São Carlos

Atriz apresenta monólogo Friziléia no domingo no Parque do Bicão.

A atriz Elizabeth Savalla apresenta a peça Friziléia, domingo, dia 27, no Parque do Bicão em São Carlos (a 230 km de São Paulo), às 19h00. O espetáculo faz parte do projeto da atriz chamado Teatro de Graça na Praça, com parceria da Prefeitura.

O monólogo protagonizado pela atriz Elizabeth Savalla, escrito por Camilo Átilla e dirigido por Luis Arthur Nunes, é uma comédia sobre as desgraças de uma dona-de-casa em crise, que faz um balanço de sua vida, no dia em que finalmente adquirirá um apartamento em Cobacabana, numa das esquinas mais barulhentas da cidade. A personagem começa a pensar que vai comprar a sua prisão definitiva e resolve procurar formas tragi-cômicas para suicidar-se.

Em quase duas horas, Elizabeth encarna uma dona-de-casa quarentona em crise com o marido. Piadas sobre a forma física, os deveres com o lar e com as crianças, além de outras situações cotidianas, levam a plateia às gargalhadas. Em meio às desgraças da vida em família, com os filhos, marido e sogra, Friziléia chega ao seu limite.

O projeto da atriz que leva teatro para as praças públicas, segundo Elizabeth começou em 2003 no Rio de Janeiro. O espetáculo já percorreu cerca de 130 cidades brasileiras. O objetivo é ofertar teatro de qualidade e de graça à população.

22/06/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz | Deixe um comentário

:: Um longa sem a essência de Tim Burton

Trabalhar sob pressão não é bom para ninguém. O prejuízo pode chegar a grandes proporções, pois o resultado deste trabalho pode ser totalmente diferente das expectativas que provoca no público. Tim Burton, diretor importante e genial acabou mostrando que também pode fraquejar na questão êxito cinematográfico. Após tanto burburinho Alice no País das Maravilhas chegou aos cinemas brasileiros e não mostrou tudo o que prometia (considere trailers, imagens e tantas otras cositas que foram espalhadas pela internet), ou que, pelo menos, deu a entender que traria grande inovação aos filmes em 3D.

Não digo que a nova produção de Burton seja um fracasso, mas caiu na mesmice das outras produções em 3D: mil e um efeitos em uma história insossa (ou jogada de escanteio?). Nesse quesito Alice no País das Maravilhas, Avatar e Premonição 4 estão no mesmo patamar. Todos não tem um roteiro forte e envolvente e, por fim, pecam ao ignorar, por várias vezes a história que deu origem ao longa.

Nesta adaptação de textos do escritor Lewis Carroll, tudo começa quando Alice (Mia Wasikowska), aos 19 anos, vai a uma festa e é pedida em casamento diante de muitos convidados da alta sociedade. Confusa, ela pede um tempo para pensar e, causa maior espanto quando, no auge de sua indecisão, sai correndo e deixa o “quase noivo”. Calma! Ela não corre sem motivos. Ela procura desesperadamente pelo coelho branco que passou pelos jardins da festa. É claro que o inevitável acontece: ela cai em um buraco e chega ao País das Maravilhas.

Leia a crítica na íntegra em http://www.resenhando.com/set/s23910-alice-no-pais-das-maravilhas.htm

14/05/2010 Posted by | Em cartaz, Mais cultura | Deixe um comentário

:: Documentário “Utopia e Barbárie” chega ao Brasil

Road movie histórico de Silvio Tendler reconstrói o mundo a partir da II Guerra Mundial.

No dia 23 de abril, chega aos cinemas de todo o país o filme “Utopia e Barbárie”, mais novo trabalho do cineasta Silvio Tendler, que se debruçou nos últimos 20 anos sobre o projeto. Partindo da II Guerra Mundial, o filme faz uma revisão nos eventos políticos e econômicos, que desde a metade do século XX elevaram ao risco e até ao desaparecimento dos sonhos de igualdade, de justiça e harmonia, em busca de entender as questões que mobilizam esses dias tumultuados: a utopia e a barbárie.

“Utopia e Barbárie” é um road movie histórico que percorreu ao todo 15 países: França, Itália, Espanha, Canadá, EUA, Cuba, Vietnã, Israel, Palestina, Argentina, Chile, México, Uruguai, Venezuela e Brasil. Em cada um desses lugares, Tendler documentou os protagonistas e testemunhas da história, os apresentando de forma apartidária, mas sem deixar de trazer um pouco do olhar do cineasta, que completa 60 anos em 12 de março de 2010.

Nas telas, Silvio Tendler trafega por alguns dos episódios mais polêmicos dos últimos séculos, como as bombas de Hiroshima e Nagasaki, o Holocausto, a Revolução de Outubro, o ano de 1968 no mundo (Brasil, França, Chile, Argentina, Uruguai, dentre outros), a Operação Condor, a queda do Muro de Berlim e a explosão do neoliberalismo mais canibal que a História já conheceu.

O cineasta foi à procura dos sonhos que balizaram o século XX e inauguram o século XXI. Ao longo de quase duas décadas de trabalho, Silvio Tendler fez uma minuciosa pesquisa e reconstruiu parte da história mundial, através do olhar de personagens com abordagens e trajetórias distintas, que ajudaram a compor um rico painel de nossa época. O diretor entrevistou inúmeros intelectuais, como filósofos, teatrólogos, cineastas, escritores, jornalistas, militantes, historiadores, economistas, além de testemunhas e vítimas desses episódios históricos.

Os dramaturgos Amir Haddad, Augusto Boal e Zé Celso Martinez, a economista Dilma Rousseff, o escritor e jornalista Eduardo Galeano, o poeta Ferreira Gullar e o jornalista Franklin Martins foram alguns dos nomes que concederam ao filme emocionantes depoimentos. Diversas vítimas, testemunhas e sobreviventes também narraram suas trajetórias, como a argentina Macarena Gelman e a brasileira nascida em Havana, Naisandy Barret, ambas filhas de desaparecidos políticos, além do estrategista do exército vietnamita, General Giap.

Cineastas de vários países também contribuíram com suas visões, como Denys Arcand (Canadá), Amos Gitai (Israel), Gillo Pontecorvo (Itália), Fernando Solanas (Argentina), Hugo Arévalo (Chile), Marceline Loridan (França), Mohamed Alatar (Palestina), Shin Pei (Japão), além dos cineastas brasileiros Cacá Diegues, Sérgio Santeiro e Marlene França.

Orçado em R$ 1 milhão, o longa-metragem conta com a narração de Letícia Spiller, Chico Diaz e Amir Haddad. A trilha sonora, especialmente composta para o filme, é assinada por Caíque Botkay,  BNegão, Marcelo Yuka e pelo grupo Cabruêra.

Sobre o diretor

Silvio Tendler é diretor de O Mundo Mágico dos Trapalhões, que fez um milhão e oitocentos mil espectadores; Jango, fez um milhão e Os Anos JK, oitocentos mil espectadores. Seu último longa-metragem, Encontro com Milton Santos, ficou entre os dez documentários mais vistos de 2007. Com seus filmes Silvio ganhou quatro Margaridas de Prata (prêmio dado pela CNBB), seis kikitos (Festival de Gramado) e dois candangos (Festival de Brasília).

Ficha técnica

Título original: Utopia e Barbárie

Gênero: Documentário

Duração: 120minutos

Ano de lançamento: 2010

Distribuidora: Caliban Produções Cinematográficas LTDA

Direção: Silvio Tendler

Roteiro: Silvio Tendler

Narrado por: Amir Haddad, Chico Diaz e Letícia Spiller

Produção: Caliban Produções Cinematográficas LTDA

Trilha Sonora: Cabruera, Caíque Botkay, BNegão e Marcelo Yuka

Videografismo: Irmãos Vilarouca

Montagem: Bernardo Pimenta

Produção Executiva: Ana Rosa Tendler

20/04/2010 Posted by | Agenda cultural, Em cartaz | Deixe um comentário

:: Um Lobisomem na Amazônia estreia no dia 06 de novembro

Longa marca o retorno de Ivan Cardoso aos cinemas depois de 14 anos. Estreia em São Paulo e Rio de Janeiro

 

O “terrir” de Ivan Cardoso marca seu retorno aos cinemas com o longa-metragem Um Lobisomem na Amazônia, com direito a mulheres seminuas, cientista malvado, amazonas crueis, um deus inca interpretado por Sidney Magal e, obviamente, um lobisomem.

 

A trama, recheada de diálogos humorísticos, é uma mescla de chanchada e filme B americano, característica do diretor. O elenco conta com nomes de peso como Danielle Winits, Evandro Mesquita, Nuno Leal Maia, Tony Tornado, Karina Bacchi, Pedro Neschling, Bruno de Luca, Djin Sganzerla, entre outros. Destaque para a participação de Paul Naschy, ator espanhol e ícone de filmes de terror europeus.

 

No longa, Natasha (Danielle Winits) é uma jovem que, juntamente com dois casais amigos, decide entrar na Amazônia para participar da cerimônia do Santo Daime em uma aldeia da região. Eles contratam o experiente Beto Careca para guiá-los, mas em seu lugar aparece Jean Pierre (Evandro Mesquita), que alega ser amigo de Beto e diz estar substituindo-o devido a um acidente. No caminho todos estão entusiasmados, mesmo com a notícia de que estranhos assassinatos têm ocorrido na região. Os crimes vêm sendo investigados pelo delegado Barreto (Tony Tornado) e pelo professor Corman (Nuno Leal Maia), zoólogo que acredita que um animal feroz matou as pessoas. O que eles não sabem é que no interior da floresta vive o Dr. Moreau (Paul Naschy), um médico nazista que está escondido e realiza experimentos bizarros, que estão diretamente relacionados com os assassinatos.

 

O roteiro é baseado no romance Amazônia Misteriosa, de Gastão Cruls. A obra foi exibida no Festival do Rio de 2005 e na 29ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2005), além de vários outros festivais internacionais como o 23º Festival de Turim.

 

Carioca nascido em 1952, Ivan Cardoso é um dos principais nomes da geração Super 8 na década de 70, onde surgiu com o underground Nosferato in Brazil. Apelidado de “Ivampirismo” pelo poeta Augusto de Campos, realizou mais de 20 curtas e alguns longas, entre eles O Segredo da Múmia (1982), As Sete Vampiras (1986), O Escorpião Escarlate (1991) e A Marca do Terrir (2005) – este último ainda sem previsão de lançamento.

 

Grande arquivista da contracultura, lançou o livro De Godard a Zé do Caixão em 2002. No ano passado, durante a 32ª Mostra de Cinema de SP, a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo lançou a biografia Ivan Cardoso – O Mestre do Terrir, escrita pelo pesquisador de cinema Remier Lion. O livro mostra a trajetória do cineasta que criou um estilo de cinema próprio, com elementos de horror, comédia e pornochanchadas.

 

Classificação indicativa:

 16 anos

 

Ficha Técnica:

 

Título original: Um Lobisomem na Amazônia

Gênero:Terror / Comédia

Duração: 74 minutos

Tipo: Longa-Metragem / Colorido

Ano: 2005

Homepage: http://www.umlobisomemnaamazonia.blogspot.com

Estúdio: Diler & Associados

Distribuidora: Polifilmes

Direção: Ivan Cardoso

Roteiro: Rubens Francisco Lucchetti, com a colaboração de Flávio de Souza e Evandro Mesquita

Produção: Diler Trindade

Produtor associado: Wilson Borges

Produtor executivo: Telmo Maia

Produtor delegado: Geraldo Silva de Carvalho

Direção de produção: Rene Bittencourt

Música: Mú Carvalho

Som direto: Alaerson Nono Coelho

Edição de som: Jose Moreau Louzeiro, Maria Muricy, Vinicius Leal

Fotografia: José Guerra

Direção de arte: Paulo Flaksman

Desenho de Produção: Ana Schlee

Figurino: Maria Diaz

Edição: João Paulo Carvalho, Aruanã Cavalleiro, Sérgio Marini e Fernando Vidor

Efeitos especiais: Sergio Shmio

 

Elenco:

Paul Naschy (Dr. Moreau / Lobisomem)

Evandro Mesquita (Jean-Pierre / Beto Careca)

Danielle Winits (Natasha)

Nuno Leal Maia (Prof. Scott Corman)

Tony Tornado (Delegado Barreto)

Karina Bacchi (Samantha)

Pedro Neschling (Bruno)

Bruno de Luca (Raul)

Djin Sganzerla (Carol)

Joana Medeiros (Rainha Pentesiléia)

Guará Rodrigues (Zoltan)

Charles Paraventi (Borges)

Orlando Drummond (Secretário de Segurança Pública)

Sidney Magal (Sacerdote inca)

Júlio Medaglia (Hartman)

Daiane Amêndola (Alma)

Analú Silveira (Mary)

05/11/2009 Posted by | Em cartaz, Mais cultura | Deixe um comentário